Para cada dano capilar, um tratamento

 

Por: Letícia Vieira Santos (leticiavs@usp.br)
Imagem: Laura Teixeira Molinari

Secador, babyliss, chapinha, frisador, tintura, alisamentos… É ótimo ter tantas ferramentas disponíveis para variar o visual, mas é preciso ficar atento para os danos que elas podem causar. Alguns deles são percebidos facilmente. A quebra e a opacidade, por exemplo, são bastante visíveis e começaram a incomodar Raysa França, após cerca de cinco anos de alisamento.

Experiência pessoal

Assim como muitas mulheres, Raysa começou a alisar o cabelo bem cedo. O processo teve início em sua pré-adolescência a partir do desejo de diminuir o volume e o frizz (fios arrepiados) de seu cabelo cacheado: “Quando fiz pela primeira vez, não queria alisar o cabelo. Eu só queria me sentir bonita e, na época, tinha muitos problemas de auto-estima. Eu não sabia muito bem como cuidar do meu cabelo e não aceitava as características naturais dos fios”.

Ao decidir voltar a deixar os cachos crescerem sem intervenção,  Raysa enfrentou algumas inseguranças. Entre elas, estavam o desconhecimento da forma natural de seu cabelo, após todas as mudanças hormonais da adolescência, e a persistente falta de prática em cuidar dos fios.

Foi durante essa transição que Raysa começou a escrever para o blog , que conta com mais três integrantes: Ana Catarina Cizilio, Maressa de Sousa e Mariana Boaretto. Compartilhar suas dificuldades e seus descobrimentos no blog foi o que a ajudou a  , que considera ter sido um dos momentos mais importantes para o seu autorreconhecimento.

Unindo suas experiências pessoais à constante pesquisa sobre como lidar com as madeixas, as quatro blogueiras procuram orientar da melhor forma seus leitores cheios de dúvidas a esse respeito. Os questionamentos são tanto relacionados a cuidados gerais, quanto a modelos de tratamento que permeiam os fóruns de beleza da internet e ganham cada vez mais adeptos, como os cronogramas capilares.

Danos e tratamentos

Para começar a entender como esses tratamentos podem recuperar danos, é preciso primeiro conhecer a estrutura e a composição dos fios. A doutora em Produção e Controle Farmacêuticos, Cibele Rosana Ribeiro de Castro Lima explica que o cabelo é formado por queratina, água e lipídios. A cutícula, o córtex e a medula são suas camadas principais. A primeira é a mais externa e, portanto, responsável pelas propriedades superficiais do fio, como o brilho. A segunda, intermediária, é encarregada das propriedades mecânicas, a exemplo da resistência e da elasticidade. Já a terceira e mais profunda ainda não tem sua função claramente definida pela literatura científica.

O cabelo é formado por três camadas. O córtex, mais abrangente, estrutura os fios retendo água e queratina. Imagem: Reprodução

As duas primeiras camadas dos fios são, frequentemente, afetadas por procedimentos químicos ou físicos. Em último caso, pode ocorrer a decomposição total dos componentes do cabelo, um dano irreparável. Os problemas menos graves, por sua vez, são passíveis de reversão por meio do uso de cosméticos.

Os cronogramas capilares, por exemplo, prometem recuperar os fios em três etapas: hidratação, nutrição e reconstrução. Eles consistem na organização de uma rotina de cuidados de acordo com as perdas sofridas pelo cabelo no dia a dia.

Cabelos que sofrem com o uso muito frequente de dispositivos térmicos costumam necessitar de uma maior reposição de água. De acordo com Cibele, são indicados para esse caso produtos à base de substâncias emolientes como manteigas, óleos e silicones.

Tais substâncias também ajudam a aumentar a resistência mecânica dos fios, o que caracteriza o objetivo da reconstrução. Isso é fundamental para cabelos prejudicados por descoloração ou pela exposição a temperaturas superiores a 220 ºC, já que nesses casos a proteína alfa-queratina, presente no córtex dos fios, pode ser desnaturada, tornando-se inativa.

A nutrição é outra etapa igualmente importante. Ela é responsável por manter os fios protegidos por meio da reposição de lipídios. Segundo a pesquisadora, eles se localizam nas subcamadas da cutícula, fazendo com que ela permaneça fechada e, portanto, protegendo o córtex e preservando a hidratação do cabelo. Por pertencerem à camada mais externa do fio, os lipídios são facilmente retirados pelos procedimentos químicos mais comuns e  até pelas intervenções físicas mais simples, como a lavagem com shampoo e a fricção do cabelo contra a toalha.

Essas informações básicas são fundamentais para a manutenção da saúde de qualquer tipo de cabelo. Com elas, é possível identificar as necessidades dos fios com maior precisão e saber o que cada produto é capaz de oferecer. Assim, obtêm-se melhores resultados e consome-se de forma mais consciente.

 


Tags: , , , , , , , , , ,